Aposentados e Pensionistas

Imprimir

‘NORMAS OPERACIONAIS CONSOLIDADAS’
APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO BANCO DO BRASIL com débito C/Corrente  Banco do Brasil

Revisão em 01/01/2017  –  Alterações: 1) Considerando que a PREVI não mais efetuará  débito consignado em favor da Cooperativa, a partir de 01.01.2017 novas admissões de aposentados e pensionistas,  com o fim de obter empréstimos,  ficarão restritas aos residentes nos municípios que compõem as Regiões Metropolitanas de S.Paulo-Capital e Campinas (39 municípios)  e mantenham C/Corrente no Bco.do Brasil na mesma área.  2)  Para associados até dezembro/2016, fica assegurada a sua condição de cooperado independente da localização residencial. 3)  Fica mantida a taxa de juros de  2,6%, em vigor desde  01/08/2015.   Foram mantidas as  demais condições do normativo revisado em Dez/2013.

PARA ADMISSÃO – CONDIÇOES:

  1. Ser funcionário aposentado do Banco do Brasil, ou seu pensionista;
  2. Ter residência e manter C/C no Banco do Brasil nos municípios que compõem as regiões metropolitanas de S.Paulo-Capital e Campinas (39 municipios).
  1. Preencher e assinar Termo de Admissão;
  2. Preencher e assinar Contrato de Abertura de Crédito;
  3. Preencher e assinar o Termo de Autorização de Informações de Crédito ao Bacen (SCR);
  4. Fornecer cópias do RG, CPF, dos 3 últimos “Hollerits” e extratos da C/C, Comprovante de endereço;
  5. Subscrição mínima de capital de R$ 50,00. – Deposito BB Ag.3055-4 e C/C 56.109-6
  6. Autorizar o débito das prestações de empréstimos em C/C do Banco do Brasil.

 USUFRUTO DE EMPRÉSTIMOS:

CAPITALIZAÇÃO DE 20%

Condição prevista no Estatuto Social para formar capital de empréstimo. Se por ocasião da solicitação do 1º empréstimo o cooperado não tiver acumulado em sua conta-capital o valor mínimo de 20% do valor do empréstimo pretendido, o complemento de capital necessário poderá ser feito em até 12 parcelas mensais, que serão cobradas com as parcelas de amortização do empréstimo e somente poderá ser retirado após quitação total da dívida.  No caso de retirada de parte do saldo da conta-capital,  o limite de crédito ficará reduzido na mesma proporção(1/5), i.e, novos empréstimos serão concedidos pelo valor de 5 vezes o capital remanescente, não prevalecendo mais a opção de parcelamento do capital necessário para o novo empréstimo.  Capital excedente é parâmetro para concessão de “crédito extra limite”, cfe. definido no item 3 do normativo Limites de Empréstimo.

OBSERVAÇÕES:

IOF – Imposto sobre Operações Financeiras – Para cooperativas de crédito foi instituída  alíquota de 0,38%, a partir de 01.01.2008.   É cobrado no ato  mediante acréscimo ao valor emprestado.

LIMITES DE EMPRÉSTIMO:  Fica mantido como “Limite de Crédito”, em princípio, o parâmetro básico de até 2(dois) salários brutos do associado.  Contudo, de acordo com a faixa etária do associado podem  prevalecer valores e prazos menores  caso o parâmetro básico de 2

salários resulte em valor maior:  A tabela a seguir indica os valores máximos e prazos adequados as faixas etárias:

  1. Faixa etária:                             Teto  do crédito              Prazos/meses
    • até 75 anos                         R$25.000,00                 de 1 até 36
    • entre 76 a 80 anos            R$18.000,00                 de 1  até 30
    • acima de 81 anos              R$12.000,00                 de 1 até 24
  1. Taxas de juros de 2,6% para qualquer prazo + TR – Esta condição está em vigor para os empréstimos contratados a partir de 01/08/2015.  Para os empréstimos contraídos anteriormente  prevalecem as taxas originalmente contratadas.
  2. Normas adicionais para a fixação do limite de crédito:
  1. Será considerado fator limitador o grau de endividamento/comprometimento do salário do associado – (margem para débito).
  2. Limite extra: Nos casos em que o associado já tenha utilizado o seu Limite de Crédito com observância dos parâmetros indicados – capitalização de 20% –  admitir-se-á  crédito adicional pelo  mesmo valor do capital excedente do associado, ou seja, pelo valor que exceder os 20% do seu “limite de crédito” regulamentar já utilizado – que dê cobertura ao limite excedido, a critério da Diretoria.  Contudo, será sempre observada a capacidade de pagamento do associado através da análise da margem consignável de sua Folha de Pagamento.
  3. Alongamento de prazos de pagamento:
  4. Em caso de dificuldade de pagamento por parte do associado que tenha contraído  empréstimo por prazo inferior ao estabelecido para a sua  faixa etária,  poderá renegociá-lo para o prazo máximo em que ele se enquadre, que será considerado normal, prevalecendo a taxa de juros originalmente contratada, devendo observar carência de 4 meses para novo empréstimo.
  5. Prazos superiores serão submetidos às seguintes restrições:

b.1 –  até 12 meses acima do prazo máximo para a categoria,  o associado somente poderá pleitear complemento de empréstimo após haver liquidado – sem interrupção – no mínimo 50% das parcelas do saldo devedor, e demonstrar novas/ melhoradas condições de pagamento;

b.2 –  alongamento acima de 12   meses do prazo máximo regulamentar, o associado somente     poderá pleitear novo empréstimo após liquidação total do empréstimo renegociado.

INGRESSO DE ESPOSA OU FILHOS DE ASSOCIADO.

Caso sejam  funcionários do Banco do Brasil, com o qual tenhamos convênio para débito em conta corrente,   associam-se  naturalmente nessa condição. Se exercem outra atividade e tenham renda própria, mesmo fora da área bancária / financeira, esposa e filhos de associados também podem associar-se e farão jus a empréstimos nas mesmas condições previstas para “Funcionários de Outras Instituições Financeiras”.

Edgard Harry Pommerening                 João Alves Ladeira                   Nilson José Bulgueroni

        Diretor Presidente                          Diretor Operacional                  Diretor Administrativo